The Web Poetry Corner
DreamMachineThe Web Poetry Corner is a Dream Machine Site
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web
Google

The Web Poetry Corner

Vanessa Vicente

of

Canoas, Rio Grande Do Sul, Brazil

Home Authors Alphabetically Authors Date Submitted Authors Country Submission Rules Feedback



If you have comments or suggestions for Vanessa Vicente, you can contact this author at:
amusedbydifference@hotmail.com (Vanessa Vicente)


Find a book store near you, no matter where you are located in the U.S.A.!


Cerzan

...the best independent ISP in the Twin Cities

Gypsy's Photo Gallery


Untitled

by

Vanessa Vicente

achar a forma
dar a vida
acender a luz

nem sempre é fácil
nos acharmos em verso
nos revelarmos nus


Multidão

by

Vanessa Vicente

fiz o café
só pra mim
guardei os relatos
tantos assim...
no mesmo lugar
onde os outros estão
no meu coração
ninguém pra falar
dei no pé

na multidão
onde eles se encontram
mas eu não encontro ninguém
ver tanta gente
mas nem sempre se sente
um alívio para a solidão


Vingança

by

Vanessa Vicente

eu me aproprio dessa sua casa imprópria
para amar
eu me rendo ao seu sofá
eu pretendo me acabar, o quê que há?
com você?
eu não poderia me agarrar a nada mais...
o que está acontecendo por aqui
neste coração?

apagando o que sobrou
destruindo o que ainda restou
eu estou...
muito mais do que fiz
eu faria

agora
do seu violão só uma blue note
se pode tirar
agora
do seu quarto iluminado só uma sombra
se pode enxergar
e as esperanças foram todas guardadas na geladeira
e os seus segredos viraram
o prato feito da televisão
junte o que sobrou
me perdoe pela devastação
vamos seguir em frente
até a ruína

e tudo não passa de um caos
os enfeites agora são todos maus
os objetos agora são todos meus
os defeitos agora são todos teus


Fim

by

Vanessa Vicente

noite de delírio
e acordo
leio o acórdão final
uma sentença máxima
e paro
o coração
quer fugir de mim
num disparo
um susto!
cadê você!?


Coisa

by

Vanessa Vicente

Eu banco suas mentiras
pra te fazer feliz
Eu sou o teu exército e luto por sua causa pobre
Eu tenho sempre o motivo mais nobre
para argumentar ao seu favor:
o amor
E o que você me diz?
Eu censuro suas atitudes
com o dedo em riste
bem em frente ao seu nariz
Eu te consolo, mesmo triste
e prometo te dar tudo o que você sempre quis...
E o que você me diz?
Eu te confio os meus mais frios segredos
e os erros pelos motivos mais vis
Eu embalo os teus medos
E o que você me diz?
E eu elogio os teus esforços
E eu ainda te protejo da chuva, desse vendaval
e por qualquer outro motivo banal
você só me mostra os destroços
de um poema que um dia eu fiz
E eu ainda luto
por um amor que foi fruto
de uma infantilidade infeliz...
E o que você me diz?


Coisa

by

Vanessa Vicente

da coisa que sinto
só sei que vem de súbito
de olhar as coisas que você deixou
...pra mim

vem da falta
do vão entre o seu e o meu coração

essa coisa é
por vezes torturante
é um sentimento
-a única coisa que ficou-

é como água de chuva
-que vem quando o céu está exausto-
é fogo, é tormenta, é choro, é luta

agonizante!
é amarela, enjoada
é preta, escondida
é vermelha, incandescente
é azul, lamentação
é laranja, gritante
não!!!

... é só um pedaço de você que ficou no meu coração


Poesia dos Desejos

by

Vanessa Vicente

noite? fria
lua? bela
lareira? quente
jantar? a luz de velas
taça de vinho? cheia
prazer? interminável
você? aqui do meu lado

noite bela
lua cheia
taça de vinho a luz de velas
lareira aqui do meu lado
jantar frio
prazer quente
você ... interminável


Nada importa

by

Vanessa Vicente

Nada importa
quando estamos juntos.
Feche a porta,
que eu já esperei demais por ti
Vamos amar
um ao outro
a nós mesmos
a vida
Vamos nos refletir
um no outro
e deixar tudo de lado
do outro lado da porta
e curtir...
que o tempo passe
que o tempo vire do avesso
hoje, amanhã e sempre
como se o relógio parasse
nada importa
mais...
se é o fim ou o começo
mas amor
nunca é cedo nem tarde
temos uma eternidade
para viver um só amor uma só paixão
pois
nada importa
mais que o amor...


Saudade

by

Vanessa Vicente

A saudade é doce,
como o mel que me enjoa.
A saudade é cantoria
mas só um canto triste ela entoa.
A saudade...ah, se ela se fosse
mas de mim ela nunca se farta.
Ela me cansa,
me entorta.
Ela vem mansa
e corta.
A saudade. ah, se ela fosse morta...
Mas, não!
Ela é a assassina.
O coração ela enforca.
Ela machuca
e cutuca
as feridas
-a única coisa que você me deixou.


Errante

by

Vanessa Vicente

errante eu sou
meu mundo encontro aonde eu vou
dúvidas passadas
caminhos por passar
só os sonhos que não deixam de chegar

aonde agora
há amor?
pra onde agora eu vou?
e quem vai me parar
pra me perguntar
até que ponto
se pode amar...


Crescidinha

by

Vanessa Vicente

eu sou repentina
como a chuva de verão
amar loucamente é minha sina
e quem irá me jogar no chão?
eu já sou bem crescidinha, cara
eu já preciso de amor
me olhe como mulher
me encare como quiser

pelos meus olhos você não pode ver a dor
que eu sinto por deixar meu antigo mundo
mas num segundo eu já me desafio
me convido para uma competição
e então eu viro um rio
corro mais do que posso
conto com as águas que não tenho
então eu sinto frio
e quem irá me jogar no chão?

não passei por muita coisa, não
mas já aprendi uma malandragem
os meus olhos nos desafiam
e quem irá me jogar no chão?

quando eu estiver
e quando eu não quiser
sair
fugir
você
preste atenção
baixe a cabeça
não ria
eu não estou brincando
eu não brinco mais!

não fique aí me desafiando
pra ver até onde eu sou capaz
não duvide das dores que eu já senti
não duvide dos meus olhos jamais
eu não vacilo como você
vacilou até então
não duvide que eu ainda sei sorrir
não duvide -apesar disso tudo- eu tenho coração
não abra a boca pra reclamar
não duvide do nosso tesão
me veja como eu sou agora
e quem irá me jogar no chão?


Amor

by

Vanessa Vicente

Pega de jeito
de susto
de medo
um cisto
um misto de dor
ânsia
perdão
alegria
ardor


Untitled

by

Vanessa Vicente

achar a forma
dar a vida
acender a luz

nem sempre é fácil
nos acharmos em verso
nos revelarmos nus


Multidão

by

Vanessa Vicente

fiz o café
só pra mim
guardei os relatos
tantos assim...
no mesmo lugar
onde os outros estão
no meu coração
ninguém pra falar
dei no pé

na multidão
onde eles se encontram
mas eu não encontro ninguém
ver tanta gente
mas nem sempre se sente
um alívio para a solidão


Vingança

by

Vanessa Vicente

eu me aproprio dessa sua casa imprópria
para amar
eu me rendo ao seu sofá
eu pretendo me acabar, o quê que há?
com você?
eu não poderia me agarrar a nada mais...
o que está acontecendo por aqui
neste coração?

apagando o que sobrou
destruindo o que ainda restou
eu estou...
muito mais do que fiz
eu faria

agora
do seu violão só uma blue note
se pode tirar
agora
do seu quarto iluminado só uma sombra
se pode enxergar
e as esperanças foram todas guardadas na geladeira
e os seus segredos viraram
o prato feito da televisão
junte o que sobrou
me perdoe pela devastação
vamos seguir em frente
até a ruína

e tudo não passa de um caos
os enfeites agora são todos maus
os objetos agora são todos meus
os defeitos agora são todos teus


Fim

by

Vanessa Vicente

noite de delírio
e acordo
leio o acórdão final
uma sentença máxima
e paro
o coração
quer fugir de mim
num disparo
um susto!
cadê você!?


Coisa

by

Vanessa Vicente

Eu banco suas mentiras
pra te fazer feliz
Eu sou o teu exército e luto por sua causa pobre
Eu tenho sempre o motivo mais nobre
para argumentar ao seu favor:
o amor
E o que você me diz?
Eu censuro suas atitudes
com o dedo em riste
bem em frente ao seu nariz
Eu te consolo, mesmo triste
e prometo te dar tudo o que você sempre quis...
E o que você me diz?
Eu te confio os meus mais frios segredos
e os erros pelos motivos mais vis
Eu embalo os teus medos
E o que você me diz?
E eu elogio os teus esforços
E eu ainda te protejo da chuva, desse vendaval
e por qualquer outro motivo banal
você só me mostra os destroços
de um poema que um dia eu fiz
E eu ainda luto
por um amor que foi fruto
de uma infantilidade infeliz...
E o que você me diz?


Coisa

by

Vanessa Vicente

da coisa que sinto
só sei que vem de súbito
de olhar as coisas que você deixou
...pra mim

vem da falta
do vão entre o seu e o meu coração

essa coisa é
por vezes torturante
é um sentimento
-a única coisa que ficou-

é como água de chuva
-que vem quando o céu está exausto-
é fogo, é tormenta, é choro, é luta

agonizante!
é amarela, enjoada
é preta, escondida
é vermelha, incandescente
é azul, lamentação
é laranja, gritante
não!!!

... é só um pedaço de você que ficou no meu coração


Poesia dos Desejos

by

Vanessa Vicente

noite? fria
lua? bela
lareira? quente
jantar? a luz de velas
taça de vinho? cheia
prazer? interminável
você? aqui do meu lado

noite bela
lua cheia
taça de vinho a luz de velas
lareira aqui do meu lado
jantar frio
prazer quente
você ... interminável


Nada importa

by

Vanessa Vicente

Nada importa
quando estamos juntos.
Feche a porta,
que eu já esperei demais por ti
Vamos amar
um ao outro
a nós mesmos
a vida
Vamos nos refletir
um no outro
e deixar tudo de lado
do outro lado da porta
e curtir...
que o tempo passe
que o tempo vire do avesso
hoje, amanhã e sempre
como se o relógio parasse
nada importa
mais...
se é o fim ou o começo
mas amor
nunca é cedo nem tarde
temos uma eternidade
para viver um só amor uma só paixão
pois
nada importa
mais que o amor...


Saudade

by

Vanessa Vicente

A saudade é doce,
como o mel que me enjoa.
A saudade é cantoria
mas só um canto triste ela entoa.
A saudade...ah, se ela se fosse
mas de mim ela nunca se farta.
Ela me cansa,
me entorta.
Ela vem mansa
e corta.
A saudade. ah, se ela fosse morta...
Mas, não!
Ela é a assassina.
O coração ela enforca.
Ela machuca
e cutuca
as feridas
-a única coisa que você me deixou.


Errante

by

Vanessa Vicente

errante eu sou
meu mundo encontro aonde eu vou
dúvidas passadas
caminhos por passar
só os sonhos que não deixam de chegar

aonde agora
há amor?
pra onde agora eu vou?
e quem vai me parar
pra me perguntar
até que ponto
se pode amar...


Crescidinha

by

Vanessa Vicente

eu sou repentina
como a chuva de verão
amar loucamente é minha sina
e quem irá me jogar no chão?
eu já sou bem crescidinha, cara
eu já preciso de amor
me olhe como mulher
me encare como quiser

pelos meus olhos você não pode ver a dor
que eu sinto por deixar meu antigo mundo
mas num segundo eu já me desafio
me convido para uma competição
e então eu viro um rio
corro mais do que posso
conto com as águas que não tenho
então eu sinto frio
e quem irá me jogar no chão?

não passei por muita coisa, não
mas já aprendi uma malandragem
os meus olhos nos desafiam
e quem irá me jogar no chão?

quando eu estiver
e quando eu não quiser
sair
fugir
você
preste atenção
baixe a cabeça
não ria
eu não estou brincando
eu não brinco mais!

não fique aí me desafiando
pra ver até onde eu sou capaz
não duvide das dores que eu já senti
não duvide dos meus olhos jamais
eu não vacilo como você
vacilou até então
não duvide que eu ainda sei sorrir
não duvide -apesar disso tudo- eu tenho coração
não abra a boca pra reclamar
não duvide do nosso tesão
me veja como eu sou agora
e quem irá me jogar no chão?


Amor

by

Vanessa Vicente

Pega de jeito
de susto
de medo
um cisto
um misto de dor
ânsia
perdão
alegria
ardor