The Web Poetry Corner
DreamMachineThe Web Poetry Corner is a Dream Machine Site
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web
Google

The Web Poetry Corner

Peralta

of

Cortes-Leiria, Portugal

Home Authors Alphabetically Authors Date Submitted Authors Country Submission Rules Feedback



If you have comments or suggestions for Peralta, you can contact him or her at:
eurolanguages@clix.pt (Peralta)


Find a book store near you, no matter where you are located in the U.S.A.!


Cerzan

...the best independent ISP in the Twin Cities

Gypsy's Photo Gallery

RonPaul for President


Esta é a voz dos inocentes

by

Peralta



Esta é a voz dos inocentes
Que à Humanidade pede compaixão e amor:
Deixem de fazer coisas indecentes,
Permitam-nos a vida por favor!

A todas aquelas que seus filhos rejeitam,
Pedimos que não os tratem como lixo -
Dêem-nos àqueles que a vida respeitam,
Pois esse comportamento é abaixo de bicho.

Quando nascemos precisamos de mamar,
E o leite materno é o nosso ideal,
Reparem bem para os animais em vosso redor
E imitem o seu comportamento "irracional".

Não nos impinjam tantos doces e gulodices
Pois só prejudicam a nossa saúde
Ensinem-nos a gostar de fruta, legumes e hortaliças,
Eduquem-nos com afecto e virtudes.

Necessitamos de conforto e agasalho,
Mas as marcas não são essenciais -
Não passem o tempo todo no trabalho,
Pois precisamos muito dos nossos PAIS!

Pensem nos nossos pulmões imaturos
E não nos obriguem a respirar a fumaça.
Vocês que são grandes e maduros,
Façam coisas que nos caiam em graça.

Somos frágeis e delicados,
Nossos organismos estão a medrar
Dêem-nos brinquedos adequados
E não objectos que nos vão lesar.

Se realmente querem o nosso bem,
Por favor parem com o consumismo,
Poupem a pouca saúde que a Terra tem
E virem-se para o naturalismo.

Não abafem a crosta terrestre com betão,
Deixem resfolegar o nosso planeta,
Pois andam a tapar-lhe a respiração -
Por este andar não lhe restará uma só greta!

As arvores que bailavam no vento
Desaparecem como por magia
E nas verdes florestas de outrora
Reinam o cimento e a desarmonia.