The Web Poetry Corner
DreamMachineThe Web Poetry Corner is a Dream Machine Site
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web
Google

The Web Poetry Corner

Vicente Martins

of

Fortaleza, Ceará, Brazil

Home Authors Alphabetically Authors Date Submitted Authors Country Submission Rules Feedback



If you have comments or suggestions for Vicente Martins, you can contact him or her at:
vicente.martins@uol.com.br (Vicente Martins)


Find a book store near you, no matter where you are located in the U.S.A.!


Cerzan

...the best independent ISP in the Twin Cities

Gypsy's Photo Gallery


dez poemas para o final da tardfe

by

Vicente Martins


I - MASOQUISMO MATINAL

Uma estranhíssima
ansiedade de tirar a barba,
Cabelinho por cabelinho.
Cortar-me
por uma distração qualquer e
por um vampirismo
ainda mais injustificável
ver o sangue descer.

II - SACO DE PANCADA

Disse-te uma vez:
és Emília, minha boneca de pano.
Digo-te, agora:
és Emília, bruxa insana
que fez do meu coração
um saco de pancadas.

III - RENDIÇÃO

Percorro o mundo
mas volto a ti
porque é no teu seio
que está meu refúgio.
Contemplo flores
mas é no teu colo
que encontro o mais belo
jardim da vida.
Tudo que escrevo,
tudo que falo,
tudo subjaz ao que faço
mas o que sou é
essencialmente construído por ti.
Eis-me aos teus pés, senhora.
Tua vida me faz homem
mas é o teu amor que me
transforma poeta.

IV- DIVIDIR O PÃO

Minha mulher me acha um pão
Claro, isso é a mais pobre metáfora.
Massa fina, massa grossa,
Às vezes, sou joio; outras, sou trigo.
Seja como for,
tenho uma visão cristã de ser pão:
O pão deve ser repartido.

V- ANTES DA NOITE DE NATAL

À noite, antevéspera natalina,
o vizinho enfeita a sala, o jardim.
O outro tem um pinheiro, um jasmim.
Tenho, apenas minhas mãos
e um coração cheio de solidão.
Minha existência é o resto de festa.
Minhas lágrimas, saquinhos coloridos de
sangue, dor e noite.

VI - ANTES DO CREPÚSCULO

A solidão divide as nuvens;
Entre os edifícios o meu peito arde,
mas os olhos viajam...
Ainda assim, tenho medo de subir
as montanhas e não alcançar as nuvens
ou, como pássaro, me renda
no labirinto...

VII - AUSÊNCIA

A tua ausência
Não é apenas o teu corpo ausente
É minha alma sem mim;
Nada fazendo significado,
Navio perdido a bravo mar,
Sensação de tempestade,
Terremoto,
Fim de vida, enfim,
Se não encontro tua vida
Dentro de mim.

VIII - PAVOR TEOLÓGICO

Tenho medo de não
resistir a presença de
Deus em minha vida.
Tenho medo de
que Ele
me abrace e
me beije e
me homossexualize.

IX - PRISIONEIRO

Minha mãe é uma mulher de fé.
Acho interessante a forma como minha mãe fala com Deus.
Um dia, contou-me ela, segurou-O
em pleno banheiro e
Obrigou-Lhe a dar-me a cura.
Imagino, então a zorra no Céu:
o boato de que Deus é prisioneiro na terra
pela fé de uma mulher.

X - OLHANDO OS ABACATES

À noite,
lembram as cabeças dos alcatrazes,
mas, num átimo,
à guisa dos fantasmas,
configuram-se em seios de
canibais.
Abrindo-os, estão lodosos,
Vedoengos e nauseabundos.
Lá, no núcleo selvagem,
quase sempre,
um homem nu,
semi-morto,
um corpo penoso,
ancestral