The Web Poetry Corner
DreamMachineThe Web Poetry Corner is a Dream Machine Site
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web
Google

The Web Poetry Corner

Nazra Heesen

of

Jakarta, Java, Indonesia

Home Authors Alphabetically Authors Date Submitted Authors Country Submission Rules Feedback



If you have comments or suggestions for Nazra Heesen, you can contact this author at:
snazheesen@hotmail.com (Nazra Heesen)


Find a book store near you, no matter where you are located in the U.S.A.!


Cerzan

...the best independent ISP in the Twin Cities

Gypsy's Photo Gallery


Hell on Earth

by

Nazra Heesen

Out of your childhood you murdered me
And when you finally achieved the goal of your life mine ended.
You stole me from my parents and sent me to a place called Hell on Earth.

There were millions like me with their empty souls staring
blankly as they died each day that they lived.

As the stench of burning flesh blackened the heavens above,
your power became my weakness,
Only the will to live carried me from the flames of the crematory.

For years I as a slave to the Master race
ws forced to dig the graves of my brother.
No soft kisses, no tender smiles
filled the thoughts I struggle to hold.

I could only watch the ones I love parish
along with the god I once survived through.
I mustbe standing in His tomb
for only His death could allow
such evil to curse his very own creation
Man Kind.

From the places on our Earth we were stripped
Stripped from our humanity and our dignity,
Guards who knew no mercy pulled the triggers
that held our lives.

They held our lives in their sinful hands,
but then with God's mercy washed their hands with purity.
They allowed us to fall with no mercy to be shown.
For them and the God I knew not of our race was terminated.


Samantha

by

Nazra Heesen

Life.
A simple word,
yet so full of pith and moment.
Love.
So pure,
yet holding more damage in a word than ever imagined.
Beauty.
So glorious,
yet within it's grasp so many parsih of perfection.
Life, Love, Beauty.
This earth we lurk upon is an angel's hell,
whilst our door to ecstasy.
Never has one's mind seen so strong of words delievered from the human tongue.


No Evil

by

Nazra Heesen

See no evil,
for in the depths of my soul I contain the truth of premonition.
Allow only me to see the agony that rapidly closes within thy spirit.

Hear no evil,
believe only murmur within your body.
Only benevolence shall creep through the pores of your skin.

Speak no evil,
let no word leave the tip of your tongue without purity.
Only speak that of nothing intertwined with pride.


Suicide

by

Nazra Heesen

Crimson drips,
blunt balde,
body warming alcohol,
frail untouched corpse.
Faith, spirit, dignity,
flows from every opening.
Rancid stench of death melts
away the ice cold life.


Human

by

Nazra Heesen

I cry,
I burn,
I heal,
I parish.
I am human,
nothing more,
nothing less.


Untitled

by

Nazra Heesen

From my once pure blood a dagger lays,
holding your life I so silently stole.
No sinful melodies play,
only a euphoric tune.


No Words to Say

by

Nazra Heesen

Words tumble from my lips,
tears streak my already broken face,
fear grips my soul.
I cannot and will not part with you.
How will I endure the pain of loss?
For without you I am meerly air.
Because of you I am renewed and full of purity.
I now appreciate life to its extent.
In my heart forever is where you shall remain,
however in my life is where you vanish from.
My head spins as though wandering through a maze.
Only you can see my truth,
only to you is who I am me and only me.
To you I give my life,
and my trust.
For you I will never forget.
I have no words to say.


An Angel Forever

by

Nazra Heesen

Dream
see flashbacks,
hear voices of the people you love.
Then you come to reality and see that you are here.
You are here with us now,
but you don’t want to tell us.
You won’t tell us that you don’t like it here.

Afraid,
but of what?
The truth?
You aren’t there anymore,
but you will always have the memories.
You can always smell, hear, and see Delhi.

Wait,
please try to hold on,
we just want to hold onto you for one more year.
We can’t lose the best thing that has happened to us,
but if you must go then so be it.
If you are not happy then go be happy.

Anna,
that is who you are,
you are Delhi for now and forever,
you can’t change that so fulfill your destiny.
When you are gone we’ll still love you,
but don’t make us happy.
Do what you must do.
Just remember that in our hearts you will always be Anna, for you are an angel.


Yearn for Passion

by

Nazra Heesen

Do you hear me?
My voice flutters,
I beg for affinity,
yet I recieve,
punishment and pain,
I turn and turn
to find what I crave,
however, I encounter
only bitterness,
for we are human.


Fire

by

Nazra Heesen

Splintering
Crackles
Snaps
Lavender
Coral
Saffron
Warmth
Taunted stench
Ash
Eye melting smoke
Innocent beauty


I leave

by

Nazra Heesen

Too strong for my undying love,
too brave for my splintered comfort,
you beat down my every word.
Never have your secrets spilled,
but now you weakly grasp my quivering soul,
you beg for mercy,
you slowly fade.
For now I turn my hardened spirit,
and away from you I drift.


Death Child

by

Nazra Heesen

Don't fight my child,
I am your saviour,
in my had lies time,
in my heart lies you.
By day you suffer,
by night you challenge death,
you fear time will devour you,
you know my becoming is your death.
Do you understand why I live?
I am your white angel,
for when the sun sets on you,
I will lead you past heaven's gates.
My child lay down you lfe,
and I will lend you my soul.
Forever you are me,
and I you.


Cry

by

Nazra Heesen

Diamonds drip
your body trembles
your lips quiver
your mind races
you are crying


Pain

by

Nazra Heesen

Pain lives within,
it burrows into your heart,
you hear it,
it screams in agaony.
You feel it,
it claws with frustration.
Don't allow it to seep deeper.


I am Gone

by

Nazra Heesen

Come and devour me,
surround my soul,
let me not die,
my heart weakens,
my body becomes a spider's prey.
I faint into a darkness unknown,
I now know no one,
no pain entraps my body.
For now,
forever,
I am gone


Inferno na Terra

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Ao sair da sua infância você me assassinou
E quando você finalmente alcançou o objetivo de sua vida a minha terminou.
Você me roubou de meus pais e me enviou para um lugar chamado Inferno na Terra.

Haviam milhões como eu com suas almas a fitar o vazio
inexpressivamente como se eles morreressem a cada dia.

Como o fedor de carne ardente os céus enegreceram,
seu poder tornou-se minha fraqueza,
Só o desejo de viver tirou-me das chamas do crematório.

Durante anos eu fiquei como um escravo para a raça Mestre
fui forçado a cavar a sepultura do meu irmão.
Nenhum beijo macio, nenhum sorriso terno,
preenchem os pensamentos que eu luto em manter.

Eu poderia assistir aqueles que eu amo na vida
junto com deus eu sobrevivi uma vez mais.
Eu deveria ficar na sua tumba
porque só Sua morte permitiria
Este mal que amaldiçoou a sua própria criação
Tipo de homem.

Dos vilas de nossa Terra nós fomos tirados
Tirados de nossa humanidade e dignidade,
Guardas que não conheceram nenhuma clemência apertaram os gatilhos
isso celebrou nossas vidas.

Eles celebraram nossas vidas em suas mãos pecadoras,
mas com a clemência de Deus lavaram suas mãos com a pureza.
Eles nos deixaram cair sem clemência ao seus olhos.
Por causa deles e Deus eu não soube se nossa raça foi exterminada.


Samantha

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Uma palavra simples,
ainda assim cheia de essência e momento.
Amor.
Tão puro,
Uma palavra que contém perigos que jamais imaginamos.
Beleza.
Tão gloriosa,
Palavra com tanta perfeição.
Vida, Amor, Beleza.
Esta terra que nós espreitamos é o inferno de um anjo,
ainda é nossa porta para o êxtase.
Nunca uma mente viu uma palavra tão forte dita pela lingua humana.


Nenhum Mau

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Não Veja nenhum mau,
nas profundezas de minh' alma eu tenho a verdade da premonição.
Só me permite ver a agonia que rapidamente se aproxima de teu espírito.

Não ouça nenhum mau,
só acredite no murmurio de seu corpo.
Só a benevolência surgirá pelos poros de sua pele.

Não fale nenhum mau,
não pronuncie nenhuma palavra sem pureza.
Só fale o que não interferir com o amor.


Suicídio

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Goteiras carmesim,
careca áspera,
corpo que se esquenta no álcool,
intato e delicado cadáver.
Fé, espírito, dignidade,
emana de todas as aberturas.
Fedor rançoso se fundem com a morte
distante do gelo da vida fria.


Humano

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Eu choro,
Eu queimo,
Eu curo,
Eu rezo.
Eu sou humano,
nada mais,
nada menos.


Untitled

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Em meu mais puro sangue um punhal se deita,
celebrando sua vida que eu tão silenciosamente roubei.
Nenhuma melodia pecadora toca,
só uma euforica canção.


Nenhuma Palavra para Dizer

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Palavras caem de meus lábios,
lágrimas riscam minha face transtornada,
Medos apertam minh' alma.
Eu não posso e não me separarei de você.
Como eu suportarei a dor da perda?
Sem você eu sou meramente ar.
Por sua causa estou renovado e cheio de pureza.
Eu aprecio a vida e sua extensão.
Em meu coração você sempre permanecerá,
porém em minha vida é onde você desaparece.
Minha cabeça vaga e se confunde.
Só você pode ver minha verdade,
só para você é que eu sou eu, e só eu.
A você eu dou minha vida,
e minha confiança.
Você eu nunca esquecerei.
Eu não tenho palavra para dizer.


Um eterno Anjo

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
veja os retrospectos,
ouça vozes das pessoas que você ama.
Então você vem a realidade e vê que está aqui.
Você está aqui agora, conosco,

mas você não quer nos falar.
Você não dirá que você não gosta daqui.

Amedrontada,
mas do que?
Da verdade?
Você não está mais lá,

mas você sempre terá as recordações.
Você sempre poderá sentir, ouvir, e ver Delhi.

Espere,
por favor tente esperar,
nós só queremos segurá-la mais um ano.
Nós não podemos perder a melhor coisa que aconteceu para nós,
mas se você tem que ir então que assim seja.
Se você não está contente então vá ser feliz.

Anna,
essa é quem você é,
você é Delhi agora e para sempre,
você não pode mudar isto, então cumpra seu destino.
Quando você tiver ido, nós ainda a amaremos,
mas não nos faz feliz.
Faça o que você tem que fazer.
Apenas lembre-se que em nossos corações você sempre será Anna, por você ser um anjo.


Anseie por Paixão

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Você me ouve?
Minha voz tremula,
Eu imploro afinidade,
eu ainda recebo,
castigo e dor,
Eu giro e giro
buscando o que almejo,
porém, eu encontro
só amargura,
porque nós somos humanos.


Fogo

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Estilhaçando
Crepitações
Estalos
Lavanda
Coral
Açafrão
Calor
Fedor escarnecido
Cinza
Olhos enfumaçados
Beleza inocente


Eu parto

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Muito forte para meu eterno amor,
muito valente para meu conforto despedaçado,
você combateu todas as minhas palavras.
Nunca espalhe seus segredos,
mas agora você aperta fracamente minha alma tremula,
você implora clemência,
você enfraquece lentamente.
Mas agora eu mostro meu espírito endurecido,
e vagueio longe de você.


Criança morta

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Não lute minha criança,
Eu sou seu salvador,
em minha mão o tempo jaz,
você esá em meu coração.
De dia você sofre,
de noite você desafia a morte,
você teme que o tempo a devore,
você sabe que minha chegada é sua morte.
Você entende por que eu vivo?
Eu sou seu anjo branco,
para quando o sol se pôr em você,
Eu a conduzirei aos portões céu.
Minha criança deixe sua vida,
e eu lhe emprestarei minha alma.
Para sempre você e eu,
e eu e você.


Choro

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Diamantes gotejam
seu corpo treme
seus lábios tremem
seus pensamentos se confundem
você está chorando


Dor

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
A dor no peito,
escava em seu coração,
você ouve,
grita em agonia.
Você sente,
rasga-se de frustração.
Não permita que infiltre-se mais profundo.


Eu fui

by

Nazra Heesen

DreamMachineThis poem was translated by Carlos Wood
The Dream Machine --- The Imagination of the World Wide Web


Google
Venha e me devore,
cerque minh’alma,
não me deixe morrer,
meu coração debilita,
meu corpo se torna a presa de uma aranha.
Eu desfaleço em uma desconhecida escuridão,
Eu não sei nada agora,
nenhuma dor ludibria meu corpo.
Agora,
para sempre,
Eu fui